EU VENCI: O abre alas que Ariane quer passar

YD comunicação - 31/01/2024

A SBQ inicia uma série de matérias mensais para contar histórias como a da terapeuta ocupacional Ariane Lopes. Apaixonada por Carnaval, ela usa sua história de vida para ajudar pacientes vítimas de queimaduras

Quem tem cicatriz é porque tem história para contar! A afirmação foi ouvida pela terapeuta ocupacional Ariane Patrícia Fernandes ainda na fase de transição de criança para adolescência, período em que ela teve de aprender a lidar com as cicatrizes deixadas no corpo após um acidente na cozinha de casa quando tinha 6 anos de idade. A frase motivadora foi dita pela mãe e ela carrega para a vida, aplicando aos pacientes, por vezes, desanimados com todo o processo de tratamento de queimaduras.

“Eu era pequena, mas me lembro do acidente até hoje, do cheiro, da dor, da escova que passavam nas feridas no hospital na hora do banho, eu não gostava do banho”, relembra Ariane, contando ainda do período de seis meses em que ficou internada. “Eu via crianças entrando e saindo e eu me questionava porque elas saiam e eu ficava. Sempre me diziam que elas estavam melhores que eu e, por isso, recebiam alta. Só depois eu soube que, na verdade, muitas haviam morrido”, fala a terapeuta. 

Ariana teve 80% do corpo queimado ao encostar no fogão onde a mãe fervia uma água, que acabou caindo sobre ela. Ainda pequena, vestia o colã do balé, que ficou grudado na pele. “Passei por cerca de sete cirurgias, precisei refazer meu órgão genital e era para ter feito mais cirurgias, mas eu me recusei, não aguentava mais”, destaca. 

Da infância, ela lembra das restrições provocadas pelas marcas na pele: nada de sol e nada de calcinha. “O elástico poderia piorar o ferimento, então, usava fralda de pano e morria de vergonha de ir para a escola”, relembra. A saída era brincar à noite, com um colega que também havia sofrido queimadura após brincar com palha de aço e fogo. 

Na adolescência, Ariane teve medo do preconceito e do olhar julgador das pessoas. “Mas minha mãe sempre me incentivou a vencer isso. Quando eu ficava com vergonha, ela falava pra mim assim: “você é capaz, você sempre deu conta das coisas mesmo pequena, então você vai”. Eu tinha vergonha de tudo e minha mãe me colocou na Associação de Moças Cristãs e eu fazia natação, balé, jazz”, destaca. Na época, ela ainda foi incentivada pela mãe a participar de um desfile em que precisava usar maiô, deixando a cicatriz e queloides à mostra. 

Toda força recebida pela mãe, apoio que ela considera essencial, levou ela a estudar, casar, ter um filho e escolher ser feliz. E a alegria que transborda na terapeuta ocupacional que atua com vítimas de queimaduras é levada para as ruas de Belo Horizonte, onde desfila e toca nos carnavais mineiros. “Nasci em 15 de fevereiro, meu pai tem trios elétricos, está no sangue”, conta ela que toca repique, surdo, chequere e triângulo. 

“No Carnaval a gente pode ser o que a gente é de verdade, sem medo, sem vergonha. Já saí de maiô, de barriga de fora, sem me importar se estou acima do peso ou com as cicatrizes que carrego”, alegra-se. 

Trabalho – A experiência de vida de uma pessoa queimada fez de Ariane uma especialista no assunto e especialista em gente. Formada em terapia ocupacional há 28 anos, ela trabalha na unidade de queimados do Hospital João XXIII, em Minas Gerais, e sempre que vê alguém desanimado com o tratamento, conta logo sua história como forma de dizer: eu venci, você também vai vencer!

“Assim que comecei a trabalhar no CTQ, não falava muito da minha história. Acho que chega uma hora que a gente cansa de falar sobre. Mas um belo dia, peguei uma paciente que estava tão, mas tão resignada, tão triste, que eu tive coragem de falar para ela sobre o que tinha acontecido comigo. A partir desse momento, eu vi que o retorno do paciente, essa transferência foi muito boa, então quando eu vejo as pessoas menosprezando a situação que se encontram, que não vê luz no fim do túnel, eu chego com a luz da esperança e falo que tem luz no fim do túnel, a gente pode tudo”, conta Ariane. 

Além do apoio psicológico, a profissional conta que foi atrás de referências em outros estados, estudou bastante e hoje é referência nacional em terapia ocupacional no tratamento a vítimas de queimaduras. 


Caso você conheça uma vítima de queimadura com uma história linda para contar, entre em contato com a gente pelas redes sociais ou mande-nos um e-mail: ydcomunica@gmail.com

 

 

Crédito para a foto de capa: Jane Linhares

 

Outras Notícias

SIG Queimaduras de 17 de julho falará sobre protocolo de sepses no queimado

Peças publicitárias sobre prevenção de queimaduras criadas por alunos da UEL serão usadas pela SBQ

Programação preliminar do XIV Congresso Brasileiro de Queimaduras está disponível no site do evento

Cicatrizes de queimaduras será tema de palestra online nesta quarta-feira (3)

Camp Samba chega à sua 7ª edição nos dias 14 a 17 de julho

Campanha Junho Laranja encerra com engajamento que dá orgulho à SBQ

Atenção com crianças com alguma deficiência deve ser redobrada

SBQ pactua projeto piloto de DDT de queimados na Central de Regulação de Divinópolis

Divinópolis (MG) recebe Curso Nacional de Normatização de Atendimento do Queimado (CNNAQ)

Queimadura em idosos exige cuidado redobrado

Cidades do Brasil incluem o Junho Laranja no calendário oficial de eventos

Campanha Poder da Gentileza da Mölnlycke preza por cuidados gentis no tratamento de feridas por queimaduras

No dia de São João, o alerta é para cuidado com fogueiras, fogos e líquidos quentes

Última semana de junho terá duas lives sobre inovações tecnológicas

Dois presidentes regionais da SBQ são eleitos conselheiros do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito)

Junho Laranja: crianças são as principais vítimas de queimaduras no Brasil

Escoteiros do Brasil aliam-se à SBQ em campanha de prevenção a queimaduras

CBQ 2024: Prorrogado prazo para submissão dos trabalhos

Parceria entre SBQ, Fepecs e Abracopel pretende monitorar dados de queimaduras no Brasil

Médico usou poema para fazer uma das primeiras campanhas de prevenção a queimaduras do Brasil